Lixomania


Rumo ao sushi de feijoada
junho 18, 2010, 3:46 pm
Filed under: Uncategorized

Virou a alegria das minhas folgas: cozinhar e encher a cara. Simultaneamente, eu quis dizer. Então, tá, que eu, filho homem de culinarista, não era capaz de fazer um miojo até algum tempo atrás. Aí junto uns trocados e saio da casa dos meus pais, de baixo da asa da mamãe. Leitinho quentinho com nescau: não me pertence mais. E aí eu resolvo aprender a cozinhar e eu juro que cozinho muito bem. Isso devia ser assunto de terapia brava mas, ei!, eu abandonei a minha terapeuta sem maiores explicações há mais de 3 anos, lembram?

Dizem que cozinhar é bom pra pegar mulher. Sei lá. Eu nunca peguei mulher cozinhando. Eu sou um homem que cozinha e toca guitarra e nunca peguei nenhuma mulher fazendo qualquer uma destas duas coisas. Eu já peguei mulher porque tinha um blog, no entanto, mas eu não sei se existe mérito nisso. Às vezes eu acho que nunca peguei mulher nenhuma, na verdade. Acho que foram elas que me pegaram. De um jeito ou de outro, eu to namorando, né? Não lembro bem como fiz para pegar a minha namorada. Teve muita cerveja, vai ver que isso era mais importante que tocar guitarra ou cozinhar. Talvez eu beba cerveja de um modo muito peculiar, pode ser que haja algo de sedutor na maneira como a cevada invade a minha boca. Meu olhar reluz de outra maneira. As pupilas dilatam, a crista arrepia. Etc. Ou, como eu já disse, não foi nada disso: ela bebeu cerveja e me pegou.

O prato de hoje foi risoto, como vocês devem ter notado. Não ta sobrando méritos nessa brincadeira: eu aprendi a fazer com a Vanessa, que mora comigo. Eu fiz uma vez sob a supervisão dela e hoje fiz sozinho. Fiz igualzinho, claro. Vejam: eu trabalho em uma empresa que prega a idéia de que “quem não tem inteligência para criar, deve ter coragem para copiar”. E eu sou um filisteu. Mas ficou uma delícia, é sério. Eu vou repetir este “é sério” até alguém se convencer. Ou então você considere aí que deve ter ficado uma bosta, mas que, como eu disse, o ritual é cozinhar bebendo cerveja: talvez o álcool tenha anestesiado meu paladar o bastante para fazer tudo parecer uma delícia. O fato de eu ter estraçalhado o peixe na frigideira não deve ofuscar o brilho do sabor. Mesmo o fato de um lado dele ter virado um torrão de carvão e eu ter escondido isto na foto. Também o fato de eu ter colocado manjericão sobre o risoto, no lugar da salsinha, que era o que eu queria para enfeitá-lo no prato, tampouco. Não existe nada de elaborado nisso: o caldo era de galinha com ervas finas. Caldo Knorr: eu não matei a galinha, não colhi as ervas. Não incenerei tudo com um lança-chamas e transformei aquele monte de mato e pena defumada em tablete. Eu sequer embalei o tablete ou pus ele na prateleira: minha parte foi botar no carrinho e pagar, sei lá, R$1,00. Como tudo era uma experiência, usei vinho do Carrefour. Ouvi falar que o Carrefour é francês. Pensei nas vinícolas do Carrefour, no sul da França, anos de experiência na produção de vinhos, tava tudo com a maior pinta de que eu tava mandando bem. Veredito: bom risoto, péssimo vinho.

Pra mim, a coisa mais perturbadora sobre cozinha são as medidas das coisas. Porque eu penso que cozinha é química (com algo de física e algo de matemática). Ou seja, é uma ciência EXATA. Aí você pega uma receita e lá diz “adicione uma pitada de sal”. E eu fico penso: MAS QUANTAS GRAMAS DE SAL É UMA PITADA? Isto não foi registrado sob os padrões internacionais da Academia de Ciências da França, sabe?

Anúncios

6 Comentários so far
Deixe um comentário

arrumou pretendente e aprendeu a cozinhar: já pode casar hein?

Comentário por batata

A gente só quer que os outros casem pra ir na festa e beber pra caralho de graça.

Comentário por Klein

po, risoto? você foi ousado. geralmente a gente frita um ovo ou faz um miojo pra começar, né?
se você comeu e estava vivo para contar, com ou sem cerveja, mandou bem, hein!

Comentário por jan

Mas eu não to começando. Eu já cozinho outras coisas.

Comentário por Klein

Fico meses sem ler. Volto aqui e tenho uma crise de riso no trabalho.

Gatão, você se supera.

Comentário por .Hazel.l

Você é o tipo de pessoa que eu queria aqui lendo sempre! =D

Comentário por Klein




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



Nada Profissional

não contém glútem

Blowg

não contém glútem

I misbehave

não contém glútem

Vida e Obra de Daniell Rezende

"Thou shalt not bore." - Billy Wilder

tantos clichês

não contém glútem

%d blogueiros gostam disto: