Lixomania


Metal cu acima!
fevereiro 2, 2010, 1:39 pm
Filed under: Uncategorized

Metal? Acho que mudou muito o público de metal. Eu mudei: não tenho mais cabelo comprido, não pareço uma menina, as pessoas não sentem pavor ao me ver, uso roupas limpas, tenho um emprego de bem e cumpro com minhas obrigações cívicas. Isto não era necessário em 1994, por exemplo, quando se ia à galeria do rock e tinha aquela corja de metaleiros podres espalhados pelo chão. Não existiam emos. Não existia aquele subsolo cultura black. As pessoas gostam de falar que metaleiro se veste de preto mas, Nos anos 80 e 90, não era bem isso o que se via: eles se vestiam de cinza. Porque metaleiro era pobre e fedido e a camiseta preta de banda não aguentava muito essa coisa de país tropical: em uma semana ela estava desbotada, cinza. E aí esta sempre será a minha referência de metaleiro. Não é o que eu vi em dois dias de show do Metallica.

Talvez seja uma fase de transição estética: antigamente, no metal, era feio ser bonito. Hoje em dia ta mais pra ideologia do “é bonito ser feio”. A estética é a da sujeira e da podridão. Estilo rato com pelo encravado. Mas é um rato bonitinho. Hoje o metal é totalmente Mickey Mouse. Então to eu lá no Habib’s das proximidades do estádio do Morumbi, comendo uma esfiha bem metal mesmo, e vejo essa menina metaleira-tosca-porém-produtora-de-ereções. Assim, muito ajeitada mesmo, gostosa, bonita. Não dava pra passear de mãos dadas no shopping… talvez pra passear de mãos dadas na galeria do rock mesmo. E eu penso que é porque o Metallica é o mais perto do pop que o metal consegue chegar hoje, mas lembro que no show do Carcass também tinham essas meninas. (Vejam, não estou falando de uma banda conhecida, estou falando do tipo de banda que lançou discos com capas como esta). Onde estavam elas durante os anos 80 e 90? Provavelmente dividida entre nadar em esperma e se segurar num ovário, mas assim: naquela época é que eu era cabeludo e adolescente, com testosterona vazando pelos ouvidos.

E hoje em dia?

Hoje em dia eu sou um cara que não tinha nenhuma camiseta preta disponível no armário para ir a um show de metal. Vejam, eu não queria uma camiseta de banda, só queria uma camiseta preta. Não queria ser metaleiro, queria mimetizar com o público. Me sentir inserido socialmente, mesmo que temporariamente. Porque, né? Eu não sou bem um metaleiro. Eu sou alguém que gosta muito de metal, não um metaleiro. Eu sou uma pessoa que usa palavras como mimetizar e isto não é muito metal. Então eu to no Habib’s olhando o quanto as metaleiras se tornaram pegáveis, comíveis e equipadas de aparelhos reprodutores passíveis de gerar diversão e me dou conta de que estou com uma camiseta branca com uma ilustração engraçadalha pra cadinho. Foi quando achei que, em um estádio com 65 mil cabeças de gado, eu sentiria a maior solidão do mundo.

Sentiria?

Saí andando desolado para o estádio. Imaginando que a banda pediria um minuto de atenção, pediria para focalizarem a luz em mim e gentilmente convidaria todos a rirem da minha cara. O rei está nu, etc. Mas ainda no meio deste caminho foi que eu vi o conforto que precisava: alguém ali parado usava uma camiseta que estampava o Gorpo, o aleijado voador do He-Man que queria ser David Copperfield. Eu estava a salvo: mudou muito mesmo o público de metal.

Gostaria de mandar aproveitar o momento pra mandar aquele abraço para a Alê que comprou meu ingresso para o primeiro dia do show. E aquele abraço também para o Imperador e para a Beijo Me Liga, companhias do segundo dia de show, quando eu estava com outra camiseta branca nada a ver.

Anúncios

6 Comentários so far
Deixe um comentário

Os metaleiros também amam, sim senhor!

Comentário por Jan

And nothing else matters…

Comentário por Klein

quando eu estava correndo entre os espermas e agarrando óvulos, você vá era esse metaleiro de *uma pica enorme, praticamente um roto rooter, o tatuzão do metrô que gosta de aimee mann?

* leia-se: “fofo”

Comentário por sadsadzoo

Aimee Mann é foda! Melhor voz que esse universo já produziu.

Comentário por Klein

Ah, eu acho que não fui uma boa companhia nesse show, mas prometo melhorar no A-HA \o/

Comentário por Beijomeliga

Claro que você foi boa companhia, uai! Respeitando-se o fato de que você estava trabalhando, principalmente…

Comentário por Klein




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



Nada Profissional

não contém glútem

Blowg

não contém glútem

I misbehave

não contém glútem

Vida e Obra de Daniell Rezende

"Thou shalt not bore." - Billy Wilder

tantos clichês

não contém glútem

%d blogueiros gostam disto: